Postagens Recentes:

Morre Umberto Eco – Singular na História

JOÃO CEZAR DE CASTRO ROCHA
ESPECIAL PARA A FOLHA

19/02/2016 23h51

A trajetória de Umberto Eco é uma das mais singulares da cena intelectual. Em alguma medida, seu percurso biográfico colocou em cena o hiato, para muitos um abismo, entre o universo acadêmico e o mundo do entretenimento da indústria cultural, que se tornou onipresente após a Segunda Guerra e que hoje assume dimensão planetária.

Aliás, em meados do ano passado, uma declaração de Eco teve grande repercussão, pois ele considerava que as redes sociais haviam criado um tipo nefasto, embora caricato: o “idiota de aldeia” convertido em “portador da verdade”. A intolerância e a agressividade, característica do “ethos” predominante na internet, teriam como base essa alquimia desorientada, o milagre da multiplicação dos pequenos profetas de plantão.

Formado em filosofia em 1954, a carreira acadêmica de Umberto Eco é das mais ricas e fecundas do século 20. Professor catedrática de semiótica na Universidade de Bolonha, escreveu alguns dos livros mais influentes na sua área de estudos, produzindo com vigor e celeridade pouco comuns.

Intuição aprofundada em livros seminais, “Lector in Fabula” (1979) e “Os Limites da Interpretação” (1990). Neles, a noção-chave sugere que todo texto é, por assim dizer, uma partitura à espera de seu intérprete: o leitor. Todo ato de leitura supõe a criação de verdadeiras comunidades virtuais de produção e transmissão de sentido. No limite, a interpretação “individual” de uma obra determinada também é o resultado de camadas e camadas de leituras prévias.

Um exemplo basta para mostrar a fecundidade da ideia: depois da invenção goetheana de Hamlet como alguém incapaz de tomar uma decisão, como recordar que o “jovem” Hamlet tem exatos 30 anos, como se diz com todas as letras na famosa cena com o coveiro Yorick. A obra de Eco esclarece o que está em jogo nessa “superinterpretação”, tema tratado em livro de 1992.

Em 1964, Eco publicou “Apocalípticos e Integrados”, refletindo acerca de qual atitude tomar numa sociedade que se via literalmente invadida pela cultura de massa. Não se tratava de recusar esse bravo mundo novo, tampouco de se entregar sem reservas. O desafio centrava-se em encontrar uma linha tênue entre os furiosos apocalípticos e os velozes integrados.

Em 1980, com “O Nome da Rosa”, Eco fez o improvável, reunindo trama policial, filosofia e teologia medievais, teoria semiótica, e uma miríade de alusões literárias, compondo um arco onívoro, que se estende de Aristóteles a Jorge Luis Borges e James Joyce. Esse complexo romance tornou-se um grande êxito internacional, chegando às telas do cinema com Sean Connery.

Uma saborosa ironia que o autor de “O Super-Homem de Massas” (1978) certamente soube apreciar.

JOÃO CEZAR DE CASTRO ROCHA é professor de literatura comparada da UERJ

Sobre marcelopelucio (306 artigos)
Possui habilidades comprovadas para encontrar talentos, montar, treinar e organizar equipes. Melhora o clima organizacional das empresas, escolas e organismos nos quais atua. Encontra o sucesso em diversas áreas da atividade humana e detém várias premiações. Sua vida acadêmica conta com quase três décadas de estudos, possui cinco títulos acadêmicos (graduações, especialização e aperfeiçoamento), centenas de cursos dentro e fora do Brasil. http://www.marcelopelucio.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: