Postagens Recentes:

Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) dentro do modelo cognitivo-comportamental.

“O Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) é uma psicopatologia que se desenvolve como resposta a um estressor traumático, real ou imaginário, de significado emocional suficiente para desencadear uma cascata de eventos psicológicos e neurobiológicos relacionados.”

Os principais tratamentos para transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) são a psicoterapia e medicação.

Eventos traumáticos podem ser muito difíceis para a pessoa confrontar seus sentimentos, entende-los e procurar ajuda profissional, porém, muitas vezes é a única forma de tratar eficazmente o TEPT.

É possível tratar o TEPT com sucesso mesmo que o evento traumático tenha ocorrido há muito tempo e isso significa que nunca é tarde demais para procurar ajuda.

AVALIAÇÃO

Antes do tratamento para o TEPT, uma avaliação detalhada de seus sintomas deverá ser realizada para garantir se o tratamento é adaptado às suas necessidades individuais.

O médico, muitas vezes, realiza uma avaliação inicial, mas você vai ser encaminhado para um especialista em saúde mental (psicólogo ou psiquiatra) para uma avaliação mais aprofundada e planejamento do tratamento, sintomas de TEPT por mais de quatro semanas podem apresentar sintomas graves.

Há uma série de especialistas em saúde mental você pode ver se você tem TEPT, tais como:

Psicólogo – um especialista em como a mente funciona (questões subjetivas)

Enfermeira psiquiátrica comunitária – uma enfermeira especialista em saúde mental,

Psiquiatra – um especialista em saúde mental, que diagnostica e trata os problemas de saúde mental com medicação específica.

NO CÉREBRO

No cérebro humano, as alterações decorrentes do trauma nada mais são do que uma tentativa de resposta adaptativa à nova ordem imposta por eventos que desestruturam gerenciadores cognitivo-comportamentais, os Esquemas (conjunto de crenças, regras e pressupostos que regem nosso modo de ver e interpretar a nós mesmos e ao mundo).

Padrão de ativação cerebral – estruturas e circuitos

Diferente da Fobia social, Transtorno de Ansiedade Generalizada, Respostas de medo condicionadas.

A CONDUTA EXPECTANTE

Sintomas leves de TEPT, ou por menos de quatro semanas, uma abordagem chamada espera vigilante pode ser recomendada.

A conduta expectante envolve monitorar cuidadosamente os sintomas, para ver se eles melhoram ou pioram. Às vezes é recomendado porque duas em cada três pessoas que desenvolvem problemas após uma experiência traumática ficarão melhor sem tratamento dentro de algumas semanas.

Espera-se vigilante é recomendada, você deve ter uma consulta de acompanhamento dentro de um mês.

FASES

“A fase inicial aguda do impacto pode estar associada à dor, medo e terror, talvez levando para elementos dissociativos – fatores prognósticos para o desenvolvimento do TEPT.”

“Passando a fase aguda, há tendência a períodos de paralisação/ entorpecimento, embotamento ou descrença.”

“A maioria das pessoas: 75% da população acaba passando no mínimo por um evento estressor ao longo da vida, mas mesmo passando pela situação estressora retoma o caminho normal da vida e as pesquisas demonstram que 7% das pessoas expostas as situações estressoras e traumáticas desenvolvem o TEPT.

SINTOMAS

Revivência
Pensamentos intrusivos

Flashback
Alteração negativa nos pensamentos

Pensamentos repetitivos

Memórias sobre a situação traumática

Pessoas associadas ao trauma

Estado Emocional

Alterações na reatividade fisiológica

Hipervigilância

Dificuldade de dormir ou concentrar

PSICOTERAPIA

O portador de TEPT que necessita de tratamento poderá recorrer a psicoterapia que geralmente será a primeira a ser recomendada. A combinação de psicoterapia e medicação pode ser necessária caso o indivíduo portador de  TEPT apresente quadro grave ou persistente .

A psicoterapia é um tipo de terapia, muitas vezes utilizada para tratar problemas emocionais e as condições de saúde mental, tais como TEPT, depressão, ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo.

O tratamento é realizado por profissionais de saúde mental treinados para ouvir e ajudar com estratégias eficazes para resolver os problemas.

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL (TCC)

Terapia cognitivo comportamental (TCC) é um tipo de terapia que visa ajudar o indivíduo no gerenciamento dos seus problemas mudando a forma como pensa e age com relação aos seus transtornos.

A TCC utiliza uma variedade de técnicas de tratamento psicológico para ajudar na solução do evento traumático, por exemplo: o terapeuta confronta as memórias traumáticas e coloca o indivíduo para pensar sobre a sua experiência em detalhes. Durante este processo, o terapeuta ajuda a pessoa acometida por TEPT a lidar com qualquer dificuldade que sente, identificando todos os pensamentos inúteis ou deturpações que tem sobre a experiência. Ao fazer isso, o terapeuta auxilia no ganho de controle do medo e angústia, alterando a forma negativa que o pensamento age sobre a experiência, como a sensação de que o indivíduo é o culpado pelo que aconteceu ou o medo que pode acontecer de novo.

Na psicoterapia serão também encorajado o reinicio gradual de atividades que a pessoa passou a evitar desde a sua experiência, como dirigir um carro, se teve um acidente.

Geralmente serão realizadas de 8 a 12 sessões semanais e diversas técnicas são utilizadas.

FERRAMENTAS TÉCNICAS DA TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL

“O TEPT pode ser considerado como uma patologia primária, tendo em vista seus efeitos patológicos subsequentes ao longo da história dos pacientes.”

Explicação do modelo cognitivo-comportamental, que enfatiza e ensina o paciente a identificar as complexas relações interdependentes entre os fatores
afetivos, cognitivos, comportamentais, fisiológicos e sociais/ambientais. Uma vez compreendidas, o paciente aprende a identificar e auto monitorar essas correlações fora das sessões, através do Registro de Pensamentos Disfuncionais (RPD), no modelo de Judith Beck.

Dentre as possíveis técnicas cognitivo-comportamentais propostas por diversos autores, destacam-se:

O TREINAMENTO DE INOCULAÇÃO ESTRESSE (TIE)

Essa técnica pretende dar ao paciente um domínio sobre seus medos através da re-significação da memória traumática e do ensino de habilidades de manejo frente às situações temidas.

Mapeamento da gravidade e impacto do problema, considerando a frequência da resposta, sua magnitude, duração, amplitude, consequências e resultados.

TREINAMENTO DE HABILIDADES SOCIAIS (THS)

Várias demonstrações e ensaios da habilidade dentro do consultório através de dramatizações e outras técnicas; aplicação pelo paciente, fora da sessão, da habilidade em uma área problemática que não esteja necessariamente relacionada com os comportamentos visados; revisão em sessão de como a habilidade funcionou, com avaliação da auto-eficácia do paciente; promoção de reajustes  necessários; e, por fim, aplicação e prática da habilidade com um dos medos focalizados, desde o considerado mais fácil de enfrentar, até o mais difícil.

TREINAMENTO DE AUTO-INSTRUÇÃO (TAI)

As intervenções podem incluir a reestruturação cognitiva para o diálogo disfuncional consigo mesmo, além do treinamento de relaxamento para ativação emocional e fisiológica, de comportamento para os déficits em habilidades, de resolução de problemas, de auto-eficácia e auto-reforço, entre outros.

DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA

É um conjunto de técnicas de exposição de vivência traumática. A exposição ao vivo é precedida pela exposição imaginária, construída dentro do consultório, e trabalhada numa hierarquia de situações temidas – desde as consideradas mais fáceis de enfrentamento, até as mais difíceis.

TÉCNICAS DE RELAXAMENTO MUSCULAR PROGRESSIVO E RESPIRAÇÃO

Relaxamento e Respiração são técnicas auxiliares quando o paciente experimenta fortes aumentos de ansiedade. Entretanto, sem a auto-instrução e a variação do  repertório não garantem por si só a eficácia terapêutica.

Dessensibilização com movimento dos olhos e reprocessamento: é um tratamento relativamente novo que foi encontrada para reduzir os sintomas de TEPT.

Algo está em uso e testes na europa que é a realização de movimentos dos olhos de lado a lado, geralmente seguindo o movimento do dedo do terapeuta, sempre que for recordar o incidente traumático. Não está claro exatamente como funciona, mas pode ajudar a parte de mau funcionamento do cérebro (o hipocampo) para processar memórias angustiantes e flashbacks para que a sua influência sobre a sua mente seja reduzida.

PREVENÇÃO DA RECAÍDA

O terapeuta deve introduzir os elementos de prevenção da recaída, para que não perder os progressos conseguidos até então e preparar o paciente para potenciais situações de risco no futuro.

“MAPA DE MEMÓRIA” DO TRAUMA

As descrições multisensoriais recorrentes do trauma envolvem relatos de pacientes, avaliando-se os mais diversos níveis de percepções: sentimentos, comportamentos, pensamentos, reações fisiológicas, percepções visuais, táteis, gustativas, olfativas, sonoras e auditivas  (imagens, cheiros, texturas, sabores,
temperatura e sons).

“As possibilidades de tratamento vão desde o individual ao tratamento grupal. Algumas situações devem ser tratadas individualmente conforme a experiência vivida pelo paciente, no entanto, há vantagens no tratamento em grupo para vítima de
TEPT, tais como: diminuir a sensação de isolamento; fornecer apoio social; ajudar a confirmar e normalizar sentimentos em relação ao trauma; compartilhar técnicas de manejo e enfrentamento; proporcionar um ambiente seguro para o desenvolvimento
de vinculação afetiva; e poder ajudar aos participantes a atribuir significado diferente ao evento traumático.”

MEDICAÇÃO

Antidepressivos , tais como a paroxetina, a mirtazapina , amitriptilina ou fenelzina são por vezes utilizados para tratar TEPT em adultos. Destes medicamentos , a paroxetina é o único licenciado especificamente para o tratamento da TEPT. No entanto, a mirtazapina , amitriptilina e fenelzina também podem ser eficazes e são frequentemente recomendados pelos psiquiatras. No entanto, esses medicamentos só serão usados ​​se:

Opção do paciente em resolver o trauma sem o foco no tratamento psicológico ou onde esse tratamento não for eficaz, porque há uma ameaça constante de novos traumas (ex. como violência doméstica), pequeno ou nenhum benefício a partir da realização do tratamento psicológico; condição médica subjacente, tal como, depressão grave que afeta significativamente a capacidade do indivíduo de se beneficiar do tratamento psicológico.

Amitriptilina usada apenas sob a supervisão de um especialista em saúde mental.

Antidepressivos também podem ser prescritos para reduzir os sintomas associados de depressão e ansiedade e para ajudar com problemas de sono. No entanto, eles não são geralmente prescritos para pessoas menores de 18 anos a menos que recomendado por um médico especialista.

Se o medicamento for eficaz para o TEPT apresentado, geralmente será continuado por um período mínimo de 12 meses antes de serem retiradas gradualmente ao longo do período de quatro semanas ou mais. Se o medicamento é ineficaz para reduzir os seus sintomas, a sua dosagem pode ser aumentada.

O médico informará sobre possíveis efeitos colaterais que o indivíduo pode apresentar ao tomá-lo e também todos os possíveis sintomas de abstinência quando a medicação é retirada. Por exemplo, os efeitos colaterais mais comuns da paroxetina incluem sensação de mal estar, visão turva, constipação e diarréia. Possíveis sintomas de abstinência associados à paroxetina incluem distúrbios do sono, sonhos intensos, ansiedade e irritabilidade.

CRIANÇAS E JOVENS

O tratamento com medicamentos geralmente não é recomendado para crianças e jovens com TEPT;

REFERÊNCIAS:

Caminha RM, Habigzang LF. Reestruturação de memória traumática em abuso sexual infantil. In: Knapp P, org. Terapia cognitivo comportamental na prática: fundamentos científicos e técnicas. Porto Alegre: Artmed; 2003

Beck J. Terapia cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed; 1997.

Caballo VE, org. Manual para o tratamento cognitivo-comportamental dos transtornos psicológicos: transtornos de ansiedade, sexuais, afetivos e psicóticos. São Paulo: Santos Livraria Editora; 2002.

Sobre marcelopelucio (299 artigos)
Possui habilidades comprovadas para encontrar talentos, montar, treinar e organizar equipes. Melhora o clima organizacional das empresas, escolas e organismos nos quais atua. Encontra o sucesso em diversas áreas da atividade humana e detém várias premiações. Sua vida acadêmica conta com quase três décadas de estudos, possui cinco títulos acadêmicos (graduações, especialização e aperfeiçoamento), centenas de cursos dentro e fora do Brasil. http://www.marcelopelucio.com.br

1 Trackback / Pingback

  1. Os cérebros mais eficazes são os das pessoas mais distraídas | MARCELO PELUCIO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: