Postagens Recentes:

UMA ENERGIA DESCONTROLADA

O comportamento humano é, em grande parte, influenciado pelos sentimentos; emoções diferentes produzem resultados diversos. Algo que todos podem sentir é a raiva, responsável por aumentar as atividades dos processos corporais e bloqueio de outros sentimentos ou capacidades.

20160701-RAIVA4Todos, em alguns momentos, ficam irritados e sentem, em si, este fenômeno reativo de causas específicas; se ocorrem sem fundo patológico, são transitórios e casuais.

Em contrapartida, o narcisista é perverso, incapaz do altruísmo e de sentir amor. Ao defrontar-se com as decepções, sua raiva gera ressentimento e desejo incontrolável de vingança; trata este sentimento de forma implacável, inflexível e somente será saciado após o seu plano vingativo ser colocado em prática. Odiar é algo muito mais fácil.

Diante desta argumentação, podem surgir questionamentos: A raiva é algo destrutivo, natural e acontece somente com o ser humano?

Num indivíduo reconhecido pela normalidade (atitudes moderadas), os episódios de fúria duram poucos segundos e acontecem nos momentos de desconforto exacerbado, talvez sejam reações naturais para extinguir a tensão interna e retornar ao equilíbrio. O estado de irritação demanda um pouco mais de tempo para ser extinto.

Diferente das crenças antigas sobre a origem da raiva estar associada ao sangue ou a bile (um suco produzido pelo fígado e armazenado na vesícula biliar), na realidade está ligada aos processos neuronais e afeta muitas estruturas cerebrais, desde o tronco cerebral (áreas mais antigas do cérebro), responsáveis pelas funções básicas como respiração, digestão, batimento cardíaco ou homeostase. Pode-se atribuir essas crenças devido a ligação direta desta região com os instintos e funções orgânicas fundamentais. As áreas do sistema límbico (mamífero, emoções) e também o córtex cerebral participam de todo processo.

A natureza preparou diversas ‘portas de saída’ da raiva através das expressões faciais, gestuais e verbais, mudança no tônus muscular esquelético ou pressão sanguínea.

Outros animais ‘sentem’ a raiva de forma análoga. Baseado no conhecimento atual e pesquisas que apontam estar ligada à insatisfação com o próprio resultado, pode-se afirmar que um leão, ao ter dificuldades de alcançar uma presa, passará por este sentimento — e mais adrenalina será liberada: energia de sobra acessível na tentativa de abater a presa. Algo capaz de trazer o entendimento dos motivos pelos quais existe uma reação natural das pessoas em se afastarem de sujeitos raivosos.

O exemplo oferecido trata de um mamífero, mas a mesma perspectiva será válida para os répteis. No homem, vantagem ilícita, pessoa amada ser cortejada, ataque à honra, são motivos de explosões e tragédias causadas pela cólera ligada à inveja ou ciúme.

Fato que nos liga novamente aos narcisistas, porque no reino animal apenas o ser humano possui estruturação na capacidade linguística e estes indivíduos são capazes de dissimular, apresentar emoções fingidas e renovar constantemente as suas habilidades. Vivendo numa paranoia megalomaníaca, procuram vencer a todo custo e vivem este ciclo vicioso.

Se no passado os gregos acreditavam ser o centro da raiva a vesícula biliar, atualmente os pesquisadores mostram uma rede muito mais complexa deste sentimento. Essas reações quase ‘vulcânicas’ se mostram salutares para o reequilíbrio orgânico, mas o estado de irritação mais prolongado gera estresse e pode causar outros problemas.

20160701-a3

Sobre marcelopelucio (305 artigos)
Possui habilidades comprovadas para encontrar talentos, montar, treinar e organizar equipes. Melhora o clima organizacional das empresas, escolas e organismos nos quais atua. Encontra o sucesso em diversas áreas da atividade humana e detém várias premiações. Sua vida acadêmica conta com quase três décadas de estudos, possui cinco títulos acadêmicos (graduações, especialização e aperfeiçoamento), centenas de cursos dentro e fora do Brasil. http://www.marcelopelucio.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: